Rádio Nova Rota - PARCEIRA - Aperte o player para escutar.

Notícias

Resistente à seca, capim Massai é alternativa para diversificação de pastagens no interior da BA


 As chuvas ainda não chegaram à Fazenda Santa Bárbara, em Macajuba, município baiano localizado entre a Zona da Mata e a Caatinga, mas o capim Massai se mantém firme, resistindo bem à estiagem típica da região. Já são quatro anos de pastejo da cultivar em cerca de 200 hectares de pasto. Na área, o rebanho de 1.000 cabeças da raça Nelore é manejado dentro do sistema extensivo de cria, recria e engorda, recebendo suplementação com sal proteinado no período da seca.

“Conseguimos aumentar em até 30% a lotação por hectare, pois o Massai é um capim mais resistente, que funciona melhor quando é bem pastejado. Tem uma rebrota muito satisfatória”, garante o pecuarista Adriano Torres Moreira, que hoje comanda a Santa Bárbara. O projeto de renovação do pasto foi iniciativa de seu pai, Fred Rios Moreira, que iniciou o negócio pecuário da família.

Leia também:

Café premium produzido em Barra Choça passa a ser vendido em seis cidades baianas

Conselho Monetário Nacional aprova reserva de recursos do Funcafé para produtores atingidos por geada

Preço amargo: Café vai ficar até 40% mais caro a partir de setembro 

A experiência com Massai na propriedade baiana faz parte do Projeto Forrageiras para o Semiárido – Pecuária Sustentável, conduzido pela Embrapa em parceria com o a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária. A Santa Bárbara é uma das 13 Unidades de Referência Tecnológica (URTs) instaladas, desde 2017, na região, que compreende 1,03 milhão de km² dentro do bioma caatinga, estendendo-se dos estados do Nordeste ao norte de Minas. O objetivo do projeto é garantir a autossuficiência alimentar das propriedades por meio do tripé pastagens perenes resistentes à seca, plantas para silagem e “poupança” forrageira (palmas e leguminosas).

Foram escolhidas, para testagem, 30 espécies desses três grupos complementares, que, juntos, garantem maior aproveitamento de área, alimento de boa qualidade para o gado o ano inteiro e menor risco de perdas por ataques de pragas. Na primeira etapa do projeto, os pesquisadores avaliaram principalmente o desenvolvimento vegetativo das cultivares escolhidas, sua produção e sua resistência à estiagem, para identificar quais podem integrar o “cardápio forrageiro” do Semiárido.

Classificação Indicativa: Livre


Por: Divulgação  Por: Redação BNews

Nenhum comentário