Rádio Nova Rota - PARCEIRA - Aperte o player para escutar.

Notícias

Novo diretor de Logística da Saúde diz que mata e morre pela Pátria: "E faço coisas que não vou listar"


 O general da reserva Ridauto Lúcio Fernandes substituirá Roberto Dias na Diretoria de Logística do Ministério da Saúde, cargo que é alvo de disputa entre os fardados ligados a Eduardo Pazuello e o Centrão, como mostrou a CPI da Covid-19.

A chegada de Fernandes à pasta é um alívio para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que terá em sua equipe uma pessoa fiel e devota às suas ideias. As informações são da coluna da Malu Gaspar, do O Globo.

Em novembro de 2020, no WhatsApp, ele encaminhou para uma lista de transmissão sua indignação contra um artigo que o jornalista Fernando Gabeira publicou em O GLOBO, intitulado "O perigoso esporte de humilhar generais".

Ainda de acordo com a coluna, indignado com a afirmação de que Bolsonaro rebaixava as Forças Armadas ao desautorizar Pazuello em negociações de vacinas, Ridauto escreveu: 

"Por alguns valores, um militar passa (facilmente) por cima de muita coisa. Desculpem os que se sentirem ofendidos, mas por minha Pátria em morro. E também mato e faço coisas que não vou listar aqui, para não provocar chiliques."

O general não explicou que coisas ele faz que não poderia listar. Mas deixou claro que não estava brincando."Se eu achar que minha Pátria estiver precisando, aceito de cabeça erguida humilhações e cusparadas. E, se achar que minha Pátria estiver precisando, providenciarei para que aquele que a esteja agredindo seja neutralizado. Adoro essa palavra, neutralizado", completou.

Procurado pela coluna da Malu Gaspar para explicar a sua mensagem, o general diz que ela expressa seu pensamento desde sempre e que tem orgulho disso. "Destaco que, na data em que o expressei, não integrava qualquer órgão de governo e, portanto, falava somente por mim, com a liberdade que a lei me garantia".

Ridauto formou-se na turma da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) em 1981. Chegou a general de Brigada em 2017, mas deixou as forças logo depois para trabalhar em consultorias.

Classificação Indicativa: Livre 



Por: Reprodução / Exército Brasileiro  Por: Redação Bnews

Nenhum comentário