Rádio Nova Rota - PARCEIRA - Aperte o player para escutar.

Notícias

Virgílio comenta dois anos seguidos sem São João: "Estou rindo porque estou conversando com você, mas tá brabo"


 O cantor e compositor baiano Virgílio contou na manhã desta sexta-feira (18) como tem sido a experiência de vivenciar dois anos consecutivos sem a realização de festas de São João, em virtude de medidas restritivas que buscam evitar um aumento nas taxas de contaminação por Covid-19. 

"Estou rindo porque estou conversando com você mas tá brabo. Os artistas da Bahia não são tão valorizados como os do Sul. Meu cachê não é tão alto", afirmou ao apresentador Zé Eduardo, durante entrevista ao “Jornal da Bahia no Ar”, da rádio Metrópole. 

O forrozeiro conta que seu salário era usado também para arcar com os custos de produção do show, como, por exemplo, o pagamento dos músicos. Antes da pandemia, ele conta que, no período junino, chegava a realizar aproximadamente 20 apresentações.

"Ano passado ainda fiz umas quatro lives. Deu para pagar um condomínio, as contas. Mas esse ano nem isso. Governo não ajuda, prefeitura não ajuda", acrescentou, destacando que nunca recebeu cesta básica ou auxílio de qualquer natureza estatal na pandemia. 

Virgílio explica que este ano as prefeituras do interior procuraram privilegiar a contratação de artistas locais para a realização de transmissões ao vivo, e afirmou que tem sobrevivido, em parte, do dinheiro do consórcio de uma casa que ele desistiu de adquirir. 

Questionado sobre a atuação de artistas mais famosos na ajuda aos de menor porte durante a crise sanitária, o forrozeiro opinou que estes "estão preocupados com eles" e que muitos são inacessíveis - à exemplo da cantora Ivete Sangalo.

"Eu entendo [a necessidade da adoção de medidas restritivas]. Esse vírus é cruel. Mas é importante que os responsáveis pelo povo ajudem também. Tem músicos aí que não tem transporte nem para pegar uma cesta básica", ponderou.

Virgílio contou que já teve a covid-19 e passou pela doença verificando apenas sintomas leves. O artista destaca que não sentiu, por exemplo, falta de ar ou necessidade de atendimento hospitalar. 

Atualmente imunizado com as duas doses da vacina contra o Sars-Cov-2, ele conta que após se curar da doença, ainda ficou 25 dias "muito abalado". O forrozeiro teve dor nas costas, febre - "por um dia" -, dor de cabeça e fadiga  

"Em relação a covid estou bem. Me cuido muito e evito sair de casa. [...] Tenho muito medo dessa doença", disse.  /Por: Reprodução/YouTube 

Classificação Indicativa: Livre

Nenhum comentário