Notícias

Após definição da Assembleia, olhos se voltam para UPB; PP e PT devem rivalizar

 


Na disputa para ser o representante do partido na corrida eleitoral pelo comando da UPB (União dos Municípios da Bahia), prefeitos do Partido dos Trabalhadores (PT) e do Partido Progressista (PP) costuram alianças com prefeituras, principalmente de suas regiões geográficas, para alcançar o maior número de apoio entre executivos municipais, o que por anos tem sido determinante para escolha partidária.

A eleição para escolha da diretoria executiva da União dos Municípios da Bahia (UPB) ocorrerá no dia 2 de março. Segundo o órgão, haverá uma reunião, no dia 20 de janeiro, da Diretoria Executiva atual para deliberação da Resolução e sua publicação, com a provável data a ser confirmada. Em razão da pandemia e conforme os protocolos do Governo Federal e Municipal, a entidade vai adequar a votação aos melhores procedimentos para proteção dos associados e colaboradores, afirmou a UPB em Nota.
 
O PP é o partido com o maior número de chefes de executivos na disputa, seis no total: Adriano Lima, da cidade Serrinha, Chepa Ribeiro, do município de São Félix do Coribe, Marcão, da cidade de Santana, Zé Cocá, de Jequié, Pitágoras, de Candeias e Ricardo de Itaberaba. 

O presidente do PP Bahia, João Leão, afirmou, em entrevista ao BNews, que são os prefeitos que irão decidir quem será o novo gestor da UPB e que o nome de seu partido sairá do consenso entre os candidatos. 

O PT é o segundo partido em número de candidatos na disputa pela chefia da UPB. Estão no páreo o prefeito de Miguel Calmon, Caca, e as prefeitas de Lauro de Freitas e Rafael Jambeiro, Moema Gramacho e Cibele Carvalho, únicas mulheres na disputa. Cibele é ex-secretária de Relações Institucionais do governo Rui Costa, mas ainda não conta com o apoio público do governador, que, segundo indica fontes ligadas ao Palácio de Ondina, não deve atuar na disputa. 

Nos últimos anos o pleito na União dos Municípios da Bahia tem sido decidido pelo consenso, sendo alçado ao posto de gestor da instituição o candidato que conta com o maior número de prefeituras, que acaba levando à reboque os votos dos outros candidatos. Nas últimas duas gestões, o organismo de representação dos prefeitos esteve sob a gestão de Eures Ribeiro Pereira (PSD), prefeito de Bom Jesus da Lapa. Porém, em 2021, o presidente do PSD Bahia, o senador Otto Alencar, afirmou que sua legenda não terá candidato. 

O cenário de pacificação pode mudar no pleito de 2021, já que um racha na base do governador Rui Costa (PT), provocado pela estratégia para forçar a retirada de uma candidatura do PP na disputa pela presidência da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), poderá respingar no pleito UPB,  inviabilizando um consenso entre partidos da base, podendo provocar um bate chapa entre PT e PP.

Raul Aguilar e Victor Pinto

Nenhum comentário