Notícias

Empresas desistem de home office em tempo integral


 Empresas brasileiras planejam receber um número maior de funcionários nos escritórios em 2021. Organizações consideram necessário preservar a saúde mental de funcionários e a cultura das empresas. Apesar disso, quando as medidas de combate à pandemia forem eliminadas, modelos mais flexíveis de trabalho devem ser mantidos.

No grupo Votorantim, em São Paulo, por exemplo, 40% dos 80 funcionários executam as atividades presencialmente. Em entrevista ao Valor, o diretor financeiro Sérgio Malacrida disse que há flexibilidade na rotina como trabalhar parte do dia e ir para casa ou até não comparecer em um dia da semana. Mas o presencial deve voltar aos 100%. "Os ganhos de produtividade e qualidade são enormes, pois permite maior interação e manter a cultura da empresa nas discussões", disse. Outras companhias como a Unipar, a Evoltz e a Tecnisa seguem a mesma linha.

Levantamento da Orbit Data Science mostra que a satisfação dos brasileiros com o home office caiu de 71,3% em fevereiro, antes da pandemia, para 57% em março. E foi para 45% em junho, quando o trabalho remoto se tornou permanente. Em outubro, o percentual de satisfeitos foi para 43%. Essa percepção foi capturada com uma análise de 5 mil comentários sobre o tema em três redes sociais (Twitter, Facebook e Instagram) e portais de notícias. .


Por: Folhapress 

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();