Notícias

‘Vovô pode sair para rua agora’, disse menina estuprada por quatro anos após saber da prisão do tio


A criança de 10 anos que engravidou após ser estuprada pelo tio no Espírito Santo, disse em tom aliviado depois de saber da prisão do agressor que o avô poderia sair para rua agora. As informações foram publicadas pelo jornal O Globo, nesta quarta-feira (19). A jovem era violentada sexualmente desde os seis anos de idade, ela segue internada no hospital do Recife onde fez um aborto “Ainda bem, porque o vovô pode sair para a rua agora”, disse.
De acordo com o jornal, a garota tinha medo que o tio matasse o avô. Era sob essa ameaça que não revelava a violência que sofria para ninguém. O relato foi feito pela avó para Paula Viana, enfermeira e coordenadora do Grupo Curumim, parceiro do programa Pró-Marias, de atendimento às vítimas de violência desde 1996, dentro do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), da Universidade de Pernambuco.
A neta é criada pela avó desde que tinha 27 dias, e muitas vezes a chama de mãe. Vendedora ambulante de bebidas na praia, a avó disse que “perdeu o chão” ao saber dos estupros. Contou que sofreu pressão para que a menina levasse a gravidez à frente e colocasse o bebê para adoção. “É claro que eu criaria, mas minha filha estava em risco”, explicou para a enfermeira. Segundo médicos, havia risco de morte caso a gestação não fosse interrompida.
A profissional de saúde esteve com a menina desde que ela chegou ao aeroporto do Recife, no domingo (16), trazendo consigo um sapo e uma girafa de pelúcia. Para ir até o hospital, cercado por manifestantes contrários ao aborto, precisou entrar no porta-malas de uma minivan Doblò.
Ainda conforme a publicação, a enfermeira acredita que a menina não tenha ouvido os gritos de “assassina” na chegada, mas não foi possível proteger a criança de um médico do próprio hospital que conseguiu acessar o quarto na noite de domingo para constrangê-la, com detalhes gráficos do procedimento e questionando a decisão dela e da avó.
Antes da interrupção da gravidez, a menina tinha o semblante sério, fechado. Não reclamou de exames e injeções e aguentou firme a dor do aborto. Mas, segundo Viana, nesta terça-feira (18), sua expressão mudou. “Ela estava com uma cara de alívio, completamente diferente. Mais solta, me olhou radiante mostrando os presentes que ganhou”, disse. / Por: Agência Brasil/Elza Fiúza  

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();