Notícias

Governo pressiona Maia por projeto de armas e oposição cobra votação contra decretos de Bolsonaro


                                                                                                   Lula Marques


Após o senador Flávio Bolsonaro criticar o presidente da Câmara Rodrigo Maia por não pautar "projetos vitoriosos nas urnas, como o das armas", em entrevista ao O Globo, o assunto reacendeu o debate nos bastidorees sobre a viabilidade da proposta. A declaração também repercutiu entre ministros do presidente Jair Bolsonaro nesta quarta-feira (5).

Segundo o blog da Andréia Sadi, no G1, ontem, em reunião de líderes, o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo, cobrou de Maia pautar o projeto pendente na Casa que discute mais acesso a armas. Maia respondeu que há um desconforto grande entre os parlamentares de decisões do governo sobre o tema das armas por meio de portarias e decretos, à margem do parlamento. E que, antes, isso precisaria ser resolvido - e o governo parar de governar por decreto.

O líder do PSB, deputado federal Alessandro Molon, participou da reunião e disse que, enquanto o governo cobra Maia a respeito do projeto, a oposição cobra exatamente o contrário: que Maia paute a votação de projetos que sustem decretos de Bolsonaro sobre o tema.

"Já cobramos Maia mais de dez vezes. Os decretos de Bolsonaro são ilegais. O tema de armas virou sem controle, a população, em sua maioria, já disse ser contra essa liberação geral. Por que acabar com rastreamento de arma, por decreto? Isso é ilegal, isso precisa ser derrubado - e Maia precisa pautar esses projetos”, afirmou Molon.

Mesmo com a pressão da família Bolsonaro, assessores do presidente avisaram ao chefe do Executivo que, em sua sondagens com parlamentares, avaliam não haver clima nem votos para aprovar uma proposta que facilite o acesso à armas. E que, se Maia pautar, o governo pode sair derrotado nesta matéria, que é uma bandeira de campanha do presidente.

Ministros admitem que o projeto é um aceno à base do presidente, representada pela chamada “bancada da bala”, já que a maioria das pautas do Congresso, até agora, foram pautas econômicas. Um assessor presidencial afirmou que o governo sabe que não terá apoio a pautas de costume e que, se o Congresso apoiar alguma delas, será a discussão sobre maioridade penal.

Quando perguntado sobre o tema por aliados, Maia vai na mesma linha: não há clima nem é prioridade o tema de armas. E lembra pesquisas, como a do Ibope, em 2019, que revelou que 73% dos entrevistados eram contrários à flexibilização de porte para cidadãos comuns e 26% favoráveis.

Em maio deste ano, o Datafolha mostrou que 73% discordavam da fala de Bolsonaro que disse que “queria todo mundo armado, pois o povo não é escravizado”. 24% concordaram com Bolsonaro.(BNews)


Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();