Irmão de ex-lateral da Seleção morre após ser espancado durante assalto

Foto: Arquivo Pessoal
Cosme Almeida Lima, de 43 anos, o 'Dão', irmão do ex-lateral direito do Santos, Palmeiras e Seleção Brasileira Baiano, morreu após ser espancado durante um assalto no Centro de Santos, no litoral de São Paulo. As informações foram divulgadas pela polícia na madrugada desta quinta-feira (27). Segundo informações da Polícia Militar, o crime aconteceu na madrugada de terça-feira (25), durante a noite de natal. A vítima contou aos policiais que estava na rua João Pessoa, já próximo à Praça dos Andradas, quando foi assaltado por dois homens, ainda não identificados, que levaram a carteira dele. Durante o roubo, a dupla agrediu Dão no rosto e no peito. Quando a viatura da 3ª CIA da PM chegou ao local, por volta da 1h, o vendedor estava com o nariz sangrando e já dentro de uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Ele foi levado para UPA Central onde recebeu atendimento e foi liberado.
Mesmo após ser medicado, Cosme Almeida disse aos familiares que continuava com mal estar e foi novamente levado à unidade. Após atendimento, foi recomendado repouso. A vítima acabou morrendo por volta das 20h10 de terça-feira e foi sepultado no início da noite desta quarta-feira (26). O caso foi registrado na Central de Polícia Judiciária (CPJ) de Santos como latrocínio - roubo seguido de morte. De acordo com familiares, Dão morreu por insuficiência respiratória, hemorragia e trauma pulmonar.
Em nota, a Fundação do ABC, gestora do local, informou que o paciente deu entrada na manhã de 25 de dezembro na UPA Central de Santos, passou por atendimento médico e, em função do quadro de saúde apresentado, recebeu alta. No período da tarde, ele retornou à UPA com novas queixas. O paciente apresentou um episódio de convulsão, seguido de parada cardiorrespiratória. Todos os procedimentos de reanimação foram realizados, mas, infelizmente, não foram suficientes para evitar o óbito. Ainda de acordo com a Fundação do ABC, o caso está sendo encaminhado para apuração interna por duas comissões da UPA, ambas registradas no Conselho Regional de Medicina – a Comissão de Ética Médica e a Comissão de Óbitos –, no intuito de garantir que todos os procedimentos adotados seguiram os padrões técnicos estabelecidos. (G1)

Nenhum comentário