Homem prendia mulher com cadeado na vagina e ela achava normal isso acontecer

Foto: Divulgação
Quando relacionamentos abusivos acontecem com mulheres que não conseguem se libertar das garras do marido possessivo, a história pode acabar mal em mais um crime passional registrado no mundo, onde milhares de mulheres sofrem violência física e verbal de pessoas que diziam que as amavam até então. Pode parecer algo estranho e distante, mas pode estar acontecendo com sua vizinha há anos sem que você saiba de nada, já que muitas vítimas sofrem por muito tempo antes de pedir ajuda.
Foi o que aconteceu com essa mexicana de 25 anos de idade que só foi descoberta porque ela teve vontade de ir ao banheiro e precisou de ajuda. A mulher carregava um cadeado em sua cintura que a impossibilitava de retirar a calça. Quem colocou o objeto metálico ali foi seu companheiro, que a mantinha dessa forma há quase 13 anos.
A jovem conheceu seu companheiro bem nova, enquanto ainda era uma criança. Infelizmente esse é o destino de muitas meninas no México, que nascem em famílias pobres que logo as entregam para casarem com homens mais velhos.
A menina sofreu durante anos a violência de manter-se acorrentada pois seu marido temia que ela pudesse traí-lo. Para evitar isso, o homem mantinha um cadeado na virilha da mulher, que prendia a calça dela que só poderia ser aberta pelo criminoso.
Quando o homem saiu a mulher precisou ir ao banheiro e resolveu chamar a polícia para ajudá-la, pois ela tinha medo de arrebentar o cadeado sozinha. Foi aí que as autoridades ficaram sabendo desse crime bárbaro, onde a jovem ficou com a virilha presa durante mais de doze anos.
O homem assumiu o crime quando foi interpelado pelas autoridades, entregando a chave do cadeado aos policiais. Para a jovem, a conduta do homem era correta, e o homem quase foi linchado pela população que se revoltou-se com o caso. Infelizmente muitas mulheres vivem relacionamentos abusivos e nem se dão conta da gravidade da relação, como essa menina que achava normal ter um cadeado preso à virilha.

Fonte : br.blastignews.com/amazoniaqui