Recepcionista que teve fotos íntimas vazadas, diz, 'Minha vida virou um inferno'

(Foto: Bruno Wendel/CORREIO)

Fotos íntimas da recepcionista de 33 anos, chantageada pelo dono de uma loja de telefonia em Feira de Santana, foram divulgadas nas redes sociais na segunda-feira (22), mesmo com o suspeito, o empresário Fernando Alves Souza Coelho, 34, preso desde o último domingo (21). "Não acreditei. Achei que o pesadelo tinha acabado. Minha vida virou um inferno", declarou a recepcionista em entrevista ao CORREIO na manhã desta quarta-feira (24)
No domingo, Fernando foi preso em flagrante após chantagear a recepcionista para que fizesse sexo com ele. A vítima havia deixado o celular na loja de Fernando para revenda - ocasião em que o empresário teve acesso às imagens e conversas íntimas da mulher de forma criminosa. Em audiência de custódia realizada na manhã desta quarta-feira (24), Fernando foi solto. 

O caso

No último dia 14, a recepcionista foi à Lengo Cel, situada na Rua JJ Seabra, Centro de Feira, na tentativa de consertar um aparelho iPhone. No entanto, durante a negociação, a recepcionista acabou comprando um aparelho novo. Ela teve um desconto após entregar o aparelho antigo – cautelosa, apagou todas as informações, mas o cuidado não surtiu efeito.
“Ele recuperou todos os dados móveis do iPhone de forma criminosa, usando recursos através de um computador e um cabo USB para invadir a privacidade dela”, contou o advogado da vítima, Péricles Novais. 
Dois dias depois, inicialmente, Fernando Alves ligou para a recepcionista dizendo que queria ter um encontro amoroso, mas ela negou, respondendo que não tinha interesse, que era comprometida.
“Aí, ele começou a enviar mensagens do tipo: ‘você não quer ir pelo amor ou pela dor?’. Ela perguntou: ‘Por que pela dor?’. Então, ele disse que tinha provas contra ela. Minha cliente perguntou que provas e ele enviou fotos dela nua e conversas íntimas do WhatsApp”, contou o advogado da vítima. 

As ameaças duraram uma semana. As mensagens chegavam ao celular da recepcionista várias vezes durante o dia. Em algumas delas, a vítima pedia para Fernando Alves parar, que ele estava fazendo chantagem - o empresário, no entanto, insistia em fazer sexo com a vítima, inclusive dava detalhes o que pretendia fazer com ela num motel. “Ela já estava mais que desesperada. Minha cliente tem uma filha de 15 anos. Ele disse que além de disseminar as fotos e conversas para grupos de WhatsApp, inclusive da família, ia mandar o conteúdo para a filha dela”, disse o advogado. 
Num momento de desespero, a recepcionista resolveu ceder à chantagem de Fernando Alves e marcou com ele no motel. “Ela só aceitou na condição de que ele primeiro apagasse tudo. Então, ela foi ao motel com ele”, contou o advogado. Dentro de motel na Avenida Contorno, a vítima pediu para que o empresário cumprisse com a promessa, mas ele negou.
“Ele disse que apagaria depois que tivessem a relação sexual. Na verdade, ela percebeu que ele não ia apagar, que ia manter as fotos e as conversas para chantageá-la outras vezes”, disse o advogado. 
Então, a recepcionista foi ao banheiro do quarto do motel, de onde  ligou para a polícia. Instantes depois, uma equipe do Pelotão de Emprego Tático Operacional (Peto) da 66ª Companhia Independente de Polícia Militar (66ª CIPM) entrou no motel e prendeu o empresário, que foi levado para a Deam.
Na unidade, ele foi interrogado e autuado pela delegada Edileuza Suely Cardoso Ramos, titular interina da Deam. Conversas no WhatsApp entre a vítima e o criminoso foram anexadas ao inquérito. 
Fotos
O advogado da recepcionista Péricles Novais disse que vai pedir à titular da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam/Feira de Santana) que apure a divulgação das fotos íntimas mesmo quando o acusado estava preso. "Temos que saber como essas fotos vazaram. Isso é crime", disse o advogado que deve ir à unidade ainda nesta tarde.
Segundo Novais, as fotos estavam no celular entregue na loja de telefonia de Fernando. A empresa Apple enviou um comunicado avisando que dados do aparelho foram acessados de um de computador desconhecido nos dias 15 e 17 de  outubro. "Se ele teve algum envolvimento nisso, vai responder também. Vamos pedir a apreensão do equipamento para perícia", declarou o advogado da vítima.
Audiência
Na manhã desta quarta-feira, Fernando passou por uma audiência de custódia na Vara da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Por volta de 10h, o empresário deixou o local para responder pelos crimes de ameaça e conjunção carnal ou ato libidinoso em liberdade. O empresário saiu sem falar com a imprensa. Ele foi liberado porque, segundo a Justiça, não possuía antecedentes criminais e comprovou residência fixa.
"Não foi uma notícia que nos agradou, mas a sociedade quer uma resposta e a gente espera uma resposta positiva a longo prazo", declarou a também advogada da vítima, Marcele Duarte.
 
(Foto: Reprodução/Instagram)

Revolta
A decisão da Justiça deixou a recepcionista revoltada. "Como pode Isso? Ele é uma pessoa ruim. Acabou com a minha vida. Tranquei minha faculdade, minha filha de 15 anos não está indo à escola porque as fotos estão em toda Feira de Santana. Não saio sozinha. Cancelei meu Facebook, apaguei todas as fotos do meu Instagram. Ele arruinou minha vida", desabafou a recepcionista. 
A Justiça estabeleceu ainda que Fernando fique a 200 metros de distância da vitima, além de não manter contato algum com ela. "Mas essas medidas protetivas não adiantam. A gente cansa de ver mulheres sendo assassinadas mesmo com as medidas protetivas. Eu tenho medo do que ele possa fazer a mim ou a minha filha. Desde que isso começou, nós não dormimos", disse.