Após confusão que teria começado na cantina de um colégio estadual, aluno da instituição é atingido por disparo de arma de fogo

Foto:(reprodução/G1)

A pessoa que ficou ferida por tiro no bairro de Armação, em Salvador, na noite de terça-feira (3), (clique aqui) foi identificada como Felipe Santos, estudante do Colégio Estadual Pedro Calmon. Ele foi atingido após uma briga generalizada que ocorreu na cantina da unidade, segundo testemunhas. Um vídeo gravado por um vizinho da escola mostra quando os alunos param um carro que passava no local para pedir socorro e o veículo leva a vítima. De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, a direção da escola chegou a chamar o Serviço Móvel de Urgência (Samu) para prestar socorro ao estudante, mas ele acabou socorrido antes da ambulância. Ele foi atendido em uma unidade médica não informada e não corre perigo, conforme a secretaria. O autor do disparo ainda não foi identificado. Parentes da vítima estiveram no colégio, mas não quiseram comentar o caso. O crime ocorreu por volta das 19h30. Testemunhas disseram que a confusão, que começou na cantina, envolveu cerca de dez estudantes. Um desses estudantes foi para o lado de fora do colégio, pegou uma arma dentro de um carro e disparou pelo menos três vezes. Um dos tiros atingiu o aluno. Um estudante, que prefere não se identificar, estava dentro do colégio e conta como começou a confusão. "Estava na cantina e aí gerou uma briga generalizada, onde todo mundo começou a agredir ele, esse rapaz alto, branco, e de óculos. O pessoal veio correndo atrás dele, e ele pegou a arma, acho que no carro, provavelmente, aqui fora, e efetuou 3 disparos", relata. O mesmo aluno diz que a escola teve outro episódio de violência na semana passada. "Teve apagões na escola, onde desligaram disjuntores. A gente ficou às escuras e soltaram bombas dentro da escola, assustando professores e alunos", conta. Um homem, que também prefere não ser identificado, ficou assustado com os tiros. "Ele pegou a arma da porta do carona e atirou contra os alunos. Quem socorreu foi uma pessoa que passava pela rua", afirma. (G1/ Bahia)