Rádio Nova Rota - PARCEIRA - Aperte o player para escutar.

Notícias

Delegado da Cunha inventou prisão de chefe do PCC para programa do YouTube


 O Delegado da Cunha, conhecido na internet por conta das operações [ou supostas] que realizava, foi desmentido por policiais que afirmaram que ele inventava prisões para postar os vídeos em seu canal no YouTube. Ele segue sendo alvo do Ministério Público de São Paulo por improbidade administrativa e enriquecimento ilícito. 

Em conversa com a Folha de S. Paulo, os agentes alegaram que um dos vídeos que teve sucesso absoluto do delegado, na verdade, foi forjado. Uma operação, que ocorreu na favela da Nhocuné, zona leste de São Paulo, onde um suposto cativeiro de um homem que foi sequestrado por criminosos do PCC, seria entregue ao “tribunal do crime”. Nas imagens,  o suspeito é preso e a vítima liberada. 

Leia mais:
“A polícia do estado não é milícia, não é matador”, diz secretário da Segurança Pública após mortes de PMs
Número de PMs mortos na Bahia em 2021 já supera o total do ano passado

Os policiais contaram que, no entanto, a vítima já tinha sido libertada por outros PMs, mas foi forçada a entrar novamente no cativeiro em poder do sequestrador para que Da Cunha filmasse a ação e fosse oprotagonista da operação. 

A vítima comentou que o delegado afirmou que a encenação seria para ajudar na prova material, mas, na verdade, as imagens foram para o canal do YouTube. 

“Depois soube que a gravação não era para o processo, mas, sim, para o canal do YouTube do delegado Da Cunha e isso lhe deixou extremamente indignado, especialmente porque o delegado mentiu sobre a gravação. [...] Frisa que o que policial que realmente o libertou do cativeiro [nem] sequer participou daquela gravação”. 

Promotores seguem apuando se Da Cunha aproveitou da corporação para monetizar os vídeos das operações no Youtube, o que é uma prática ilegal. 

Afastamento

O delegado Da Cunha foi afastado das ruas, em julho deste ano, após realizar “linguagem inadequada e comentários depreciativos à imagem institucional”. 

Cunha teria, ainda, chamado policiais civis de 55 anos ou mais de “ratos” e “raposonas” durante participação no podcast Flow. 
 

Leia também:
-  “Quebra as pernas do crime organizado”, diz Secretário da Segurança Pública sobre regulamentação das drogas
Após mortes de PMs, Rui pede reforma no Código Penal e culpa política de armas do Governo Bolsonaro
Milicianos investigados são presos por filmar estupros e divulgar cenas da violência sexual
>> Acompanhe o BNews também nas redes sociais através do Instagram, do Facebook e do Twitter.

Classificação Indicativa: Livre


 Por: Reprodução/Instagram @delegadodacunha 

Nenhum comentário