Rádio Nova Rota - PARCEIRA - Aperte o player para escutar.

Notícias

Pandemia mudou rotina de atletas, uso de estádios e freou calendário esportivo; relembre impactos


Em 6 de março de 2020, a Bahia registrou o primeiro caso confirmado do novo coronavírus. A confirmação do vírus em terras baianas ocorreu oito dias depois do primeiro caso registrado em todo Brasil, em 26 de fevereiro de 2020, quando a pandemia teve início no país. Pouco mais de um ano depois, o vírus continua a ser um problema, e a Bahia já registrou  730.542  casos e 12.961 óbitos.

Como tudo em sua volta foi afetado, o mundo do futebol e dos esportes não seria diferente. Os estádios antes tidos como local máximo da felicidade ao comemorar um gol viraram hospitais de campanha e passaram a hospedar momentos de vida, morte e muita luta. Diferentes templos do futebol brasileiro como Maracanã, Arena Fonte Nova, Pacaembu, e inúmeros centros de treinamento foram utilizados como apoio no combate à pandemia.

Durante a construção desse texto, a Fonte Nova voltou a ser utilizada como hospital de campanha por conta do novo avanço da pandemia no estado. A piora no cenário fez com que o estádio que já havia voltado a receber jogos fosse requisitado pelo governo da Bahia.

Os dois principais clubes baianos retomaram os treinamentos presenciais em meados de junho. Antes da retomada, os atletas receberam kits para realizar os treinamentos físicos em sua residência com instruções online.

"Foi complicado [...] A gente vinha jogando e treinando, de uma hora para outra fomos obrigados a ficar em casa, parou tudo. A gente treinava em casa da forma que dava, o espaço não era o ideal, o equipamento não era o ideal, mas a gente fazia o que estava ao nosso alcance. Depois eu fui atrás e aluguei uma bicicleta, aí eu conseguia fazer um treino mais intensivo. A gente sabe que nada como o contato com a bola, com a grama, para se manter em alto nível", relembrou o meio-campista Flávio, ex-Bahia e atualmente no Trabsonspor (Túrquia).

Ronaldo, goleiro do Vitória, destacou que foi um período muito difícil, não só para os atletas, e sim para toda sociedade. O goleiro afirmou ter muita fé que logo todos estarão vacinados e a vida retornará ao normal. 

"O tempo que a gente ficou parado foi muito ruim, a gente ainda depende muito da questão física para estar bem e exercer melhor nossa função. Tem a questão psicológica também que acabou abalando, a gente nunca tinha passado por um período tão longo de inatividade [...] eu tenho muita fé que daqui a pouco tudo isso vai passar, todo mundo vacinado e as coisas irão se normalizando aos poucos", declarou o goleiro do Leão.

O Baianão de 2020 começou a ser disputado ainda com público apesar da pandemia já ter sido registrado no Estado. Com a piora do cenário, o campeonato foi finalizado sem torcida nos estádios o que acarretou uma perda financeira para os clubes que participaram da competição.

O presidente do Jacuipense, Gegê Magalhães, destacou que o período foi muito complicado não apenas no âmbito financeiro do clube. A questão psicológica e a preocupação com a doença foram outros fatores ressaltados pelo dirigente. 

"Toda semana com as testagens, a gente tinha uma expectativa, o jogador ficava querendo saber como estava a questão de contaminação. O desenvolvimento da própria doença, como os atletas se comportavam. Graças a Deus não tivemos nenhum caso mais sério, a maioria dos nossos atletas foram assintomáticos e os que tiveram sintomas, foram bem fracos", relembrou. 

Magalhães comentou que após o recente surto de covid-19 entre jogadores do time, a direção voltou a conversar com o elenco e pediu que se mantenham vigilantes. O grande número de casos no elenco do Jacuipense fez com que o jogo contra o Vitória pelo campeonato baiano fosse adiado pela Federação Baiana de Futebol (FBF). 

"A gente sabe que com um ano de pandemia, as pessoas começam a ficar mais relaxadas. Com esse surto das últimas semanas, nós conversamos com todo mundo sobre a necessidade de estar mais vigilante", afirmou

O impacto da pandemia fez com que o calendário esportivo fosse modificado, o campeonato brasileiro teve início em 2020 e só acabou no fim de fevereiro de 2021. A retomada dos jogos exigiu protocolos de segurança sanitária, testagem dos envolvidos do jogo e a proibição das torcidas.

Já o principal evento esportivo do mundo, as Olimpíadas foram adiadas pela quarta vez em toda história. Antes programadas para ocorrer em 2020 em Tóquio, os jogos irão ocorrer apenas em 2021. Os outros três adiamentos (1916, 1940 e 1944) ocorreram em decorrência das guerras mundiais. 2020 entrou para história com o cancelamento por causas sanitárias.

 Redação BNews

Nenhum comentário