Rádio Nova Rota - PARCEIRA - Aperte o player para escutar.

Notícias

Cardiologista que pode substituir Pazuello perde preferência após áudio vir à tona

 


A cardiologista Ludhmila Hajjar perdeu a preferência entre os possíveis substitutos de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde após um áudio atribuído à médica vir à tona. As informações são do jornal O Globo.

De acordo com a reportagem, ao longo deste domingo (14), chegaram a Jair Bolsonaro (sem partido) informações que circulam nas redes sociais sobre declarações de Hajjar nos últimos anos, incluindo um áudio em que o presidente é chamado de "psicopata".

Na gravação, recebida por Bolsonaro após se encontrar com a cardiologista no Planalto, a médica defende a eleição do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), para presidente da República, chamando-o de "corajoso". No início da pandemia da covid-19, Caiado determinou medidas de restrição de circulação e confrontou Bolsonaro por declarações em que o presidente minimizava o impacto do coronavírus.

"Nem sei o que vai acontecer com esse Brasil. Vai pegar fogo. Só sei que quero o Caiado presidente, só isso. Porque ele foi corajoso. Chega. Tem que cair esse JB. É um psicopata", diz a mulher no áudio enviado ao presidente e ao qual o jornal também teve acesso.

A médica também é citada por bolsonaristas em um vídeo em que a médica aparece numa conversa com a ex-presidente Dilma Rousseff (PT). A cardiologista também é criticada pela militância por defender posicionamentos que são consenso na comunidade científica, como a inexistência de um "tratamento precoce" eficaz contra a Covid-19, além da adoção de medidas de isolamento social.

Em nota, o Ministério da Saúde disse que "até o presente momento" Pazuello segue à frente da pasta, "com sua gestão empenhada nas ações de enfrentamento à pandemia". Através de um assessor, Pazuello afirmou, em uma rede social, que não está doente, mas que entregaria o cargo "assim que o presidente solicitar".

“Não estou doente, não entreguei o meu cargo e o presidente não o pediu, mas o entregarei assim que o presidente solicitar. Sigo como ministro da saúde no combate ao coronavírus e salvando mais vidas”, escreveu o assessor, atribuindo as aspas ao próprio Pazuello.

Redação BNews

Nenhum comentário