Notícias

Presidente do Benfica é suspeito de integrar esquema de corrupção com a Odebrecht no Brasil


 naugurado em 2014, em área nobre de Recife, o hotel Reserva do Paiva está no centro de um possível esquema de corrupção, revelado seis anos após sua abertura. A obra que teve investimento em torno de de 200 milhões de euros, cerca de R$ 1,2 bilhões, pode ter sido palco para vantagens ilícitas envolvendo Luís Filipe Vieira, presidente do clube português Benfica.

A denúncia foi divulgada na noite desta segunda-feira (28) pelo site português "Observador", com base nas informações fornecidas pelo hacker Rui Pinto, que já denunciou esquemas de corrupção no futebol mundial e divulgou salários de vários jogadores pelo mundo. Ele também é criador do Footbal Leaks.

Em uma denúncia feita ao Ministério Público de Portugal, o hacker alega que Vieira e sua empresa, PromoValor pagaram propina para viabilizar a construção do Reserva do Paiva em parceria com a Odebrecht. A obra é um complexo hoteleiro numa área nobre da cidade de Recife. A denúncia ainda inclui o Grupo Doyen como envolvido no esquema, oferecendo viagens em aeronaves privadas à Luís Filipe Vieira e ao seu filho Tiago Vieira.

Ao site, o do Benfica se manifestou sobre as acusações. Ele negou as informações e afirmou que Rui Pinto manipulou os fatos e falsificou a realidade. "Não comento declarações e investigações que desconheço, sobretudo declarações vindas de alguém que já nos habituou a manipular informação, que dispara em todas as direções e que falsifica repetidamente a realidade", disse.


Por: Divulgação  Por: Redação BNews 

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();