Notícias

“Conversinha mole de ficar em casa é para os fracos”, diz Bolsonaro


 Em um segundo evento no norte de Mato Grosso nesta sexta-feira (18), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) parabenizou os produtores agrícolas que não ficaram em casa durante a pandemia de Covid-19 e "não entraram na conversinha mole de ficar em casa".

"Vocês não pararam durante a pandemia. Vocês não entraram na conversinha mole de ficar em casa. Isso é para os fracos", disse a uma plateia de produtores rurais e apoiadores em Sorriso, no norte do estado.

Aos gritos de "mito!", Bolsonaro participou da entrega simbólica de títulos de propriedades rurais a agricultores familiares da região, no aeroporto Adolino Bedin, em Sorriso.

Antes, o presidente fez parada em uma inauguração simbólica de uma fábrica de etanol de milho, que funciona há mais de um ano no município de Sinop. Lotado de apoiadores envoltos em bandeiras do Brasil, o evento foi considerado uma homenagem do setor ruralista ao presidente.

Antes de pousar no solo mato-grossense, seu avião arremeteu devido à fumaça que toma conta da região, embora não haja foco de incêndio específico nos dois municípios em que visitou neste momento.

Bolsonaro recebeu agricultores para entregar os títulos no palco. Muitos não usavam máscara. Em tom eleitoreiro à base de eleitores ruralista, ele substituiu seu slogan de campanha para: "Deus acima de tudo, Mato Grosso acima de todos".

"Vocês estão de parabéns, vocês são nosso orgulho", disse, emendando que a viagem ao estado lhe serviu para "entender da influência estrangeira nessa região", sem dar detalhes.

Tarcísio de Freitas, ministro da Infraestrutura, reiterou que o governo vai destravar os nós logísticos da região, dando ênfase à BR-163, uma das principais rotas de escoamento de grãos do Centro-Oeste, que liga a região a portos.
"A nossa responsabilidade é dar a logística. Em novembro, vamos assinar o contrato da ferrovia [de Integração] Centro-Oeste. Estamos trabalhando para resolver as questões da BR-163", afirmou.

A organização não tinha dados sobre o número de presentes em Sorriso. No evento anterior, a 85km dali, a estimativa era de cerca de 2.000 pessoas, dentre apoiadores, políticos e agropecuaristas. A região produz soja, milho, gado, feijão e algodão.

Em nenhuma das duas ocasiões, o presidente mencionou ações de combate aos focos de incêndio que atingem o Pantanal e outros biomas brasileiros. Apenas afirmou que isso acontece há vários anos.

Sinop e Sorriso ficam na Amazônia Legal, onde paira uma névoa de fumaça mesmo sem a presença de fogo nas fazendas próximas. É possível sentir cheiro de queimado mesmo no interior dos estabelecimentos.

Já no Pantanal, setembro de 2020 será o mês com maior número de queimadas já registrado na história, de acordo com dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

Com explosão dos focos de calor em agosto e setembro, o Inpe registra mais de 15,8 mil focos no Pantanal desde o início do ano, o maior número no período desde 1999, quando iniciou o monitoramento. O primeiro semestre foi o de maior número de queimadas para o bioma, com 2.534 focos de incêndio, aumento de 158% em relação ao mesmo período de 2019.

Agravada por um período de seca na temporada de chuvas, a situação está descontrolada mesmo diante da atuação de brigadistas. Além de chuva abaixo da média para o período, as temperaturas aumentaram na região do bioma, com ventos que já vieram de regiões secas e quentes.

A Dema (Delegacia de Meio Ambiente) do estado investiga a ação humana para a alta nas ocorrências.  /Por: Agência Brasil  Por: Folhapress
 


Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();