Notícias

Membros do MPF creem que relato de vazamento a Flávio reforça suspeita de interferência de Bolsonaro na PF


O vazamento de informações da Polícia Federal sobre a investigação contra Flávio Bolsonaro expôs ainda mais o presidente da República. Para procuradores e outros membros do Ministério Público Federal (MPF), o relato de Paulo Marinho à Folha de S. Paulo reforça a suspeita de que Jair Bolsonaro tentou interferir no trabalho da PF.
O ato também corrobora com o conteúdo da reunião ministerial em abril, que veio a público na última semana. A análise é de que a acusação do empresário bolsonarista mostram que o presidente tinha claros motivos para tentar intervir na Polícia Federal. O ex-ministro Sergio Moro foi demitido após se recusar a trocar a superintendência do órgão no Rio de Janeiro.
Membros do MPF avaliam que a investigação sobre o vazamento deve ser somada ao inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF), que inclui as acusações de Moro sobre a tentativa de interferência de Bolsonaro na PF.
Em trecho transcrito da reunião ministerial, o presidente admitiu que não poderia esperar que a sua família fosse prejudicada. No entanto, garante que se tratava, na verdade, da segurança pessoal dos seus familiares.
“Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro oficialmente e não consegui. Isso acabou. Eu não vou esperar f. minha família toda de sacanagem”, diz o trecho. / Por: Reprodução/Redes Sociais 

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();