Notícias

“Pessoas não têm o que comer”, alerta presidente do sindicato dos ambulantes, após pandemia do coronavírus


Por conta do fechamento dos centros comerciais da cidade de Salvador, na tentativa de conter a pandemia do coronavírus, vendedores ambulantes estão enfrentando uma grave crise.
Segundo o presidente da Associação dos Vendedores Ambulantes de Salvador (Assidivan), Rosemário Lopes, muitas pessoas não têm o que comer e não sabem a quem pedir ajuda para sustentar as famílias.
“A crise chega a ser desesperadora. Estou totalmente preocupado. São 60 mil ambulantes com as famílias totalmente desassistias. As pessoas não têm o que comer”, disse Rosemário, em entrevista ao BNews.
“É preciso que a sociedade saiba disso. Tem gente que vende de manhã para conseguir arranjar a janta. Precisamos de ajuda agora, que seja por cesta básica ou por benefício social”, sugeriu o presidente da associação, que conta com 800 associados.
Segundo ele, a prefeitura tem sido parceira e tem se mostrado preocupada, mas alguma medida deve ser tomada imediatamente.
Procurado pelo BNews, o secretário Municipal de Ordem Pública (Semop), Felipe Lucas, informou que a prefeitura está pensando em ações para resolver esse problema.
“O prefeito criou grupo de trabalho para, o mais rápido possível, decidir ações que possam avançar nesse sentido. Acredito que até a próxima quarta-feira (25), teremos uma posição sobre esse caso”, afirmou o secretário. /Por: Google Maps

Nenhum comentário