As mais recentes

Bolsonaro posta vídeo de ato obsceno e o associa a blocos de Carnaval


O presidente Jair Bolsonaro (PSL) publicou nesta terça-feira (5) em sua conta oficial no Twitter um vídeo de uma cena que causou polêmica no Carnaval paulistano. Um homem aparece dançando sobre um ponto de táxi após introduzir o dedo no próprio ânus. Na sequência, surge outro rapaz que urina na cabeça do que dançava.
Em sua publicação, Bolsonaro diz que não se sente "confortável em mostrar", mas argumenta que tem "que expor a verdade para a população ter conhecimento e sempre tomar suas prioridades. É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro. Comentem e tirem suas conslusões [conclusões]".

Não me sinto confortável em mostrar, mas temos que expor a verdade para a população ter conhecimento e sempre tomar suas prioridades. É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro. Comentem e tirem suas conslusões:
61,4 mil pessoas estão falando sobre isso

Nos comentários à publicação do presidente, críticos do presidente e até mesmo alguns que se identificam como apoiadores dele têm lamentado a iniciativa de publicar o vídeo.
"O cara usa o Twitter para falar com as crianças que votam nele e posta um vídeo desses. JÁ DENUNCIEI. TwitterBrasil bloqueia logo a conta desse incapacitado!", diz um usuário.
Após a publicação do vídeo, Bolsonaro postou ou compartilhou conteúdo cinco vezes em um intervalo de pouco mais de uma hora. Todo o conteúdo posterior é corriqueiro, sem polêmicas.
O vídeo foi gravado na segunda-feira (4) em um bloco chamado Blocu, no centro de São Paulo. A repercussão da cena nas redes sociais iniciou antes mesmo do tuíte de Bolsonaro. A Folha conversou com várias pessoas que presenciaram a cena e que disseram que o ocorrido foi um momento isolado no evento.
Diversos usuários têm escrito que denunciarão o tuíte de Bolsonaro como conteúdo impróprio.
Nas regras do Twitter, que incluem a política de privacidade e os termos de serviço que os usuários têm que respeitar para usar a plataforma, há uma série de diretrizes sobre conteúdo adulto.
"Consideramos conteúdo adulto qualquer mídia que seja pornográfica ou destinada a causar excitação sexual. Alguns exemplos incluem, mas não estão limitados a representações de: nudez total ou parcial, incluindo closes dos órgãos genitais, nádegas ou seios; simulação de ato sexual; ou relação sexual ou qualquer outro ato sexual envolvendo seres humanos, representações de animais com características humanas, desenhos, hentai ou animes", dizem as regras do Twitter.
Mídias com conteúdo adulto devem ser marcadas como mídia sensível, o que não foi feito inicialmente no vídeo de Bolsonaro. Dessa forma, a depender do rigor da análise do Twitter, o presidente pode sofrer alguma punição, que pode variar desde a retirada do conteúdo do ar até a suspensão da conta, caso seja entendido que ele cometeu grave infração.
Cerca de duas horas após a publicação do vídeo foi colocada a marcação de mídia sensível, que funciona como um filtro prévio que requer que o usuário confirme que deseja ver o conteúdo.
A lei 1.079 da Constituição Federal, que dispõe sobre os crimes de responsabilidade, inclui entre os crimes contra a probidade na administração “proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo”.
A Folha procurou os organizadores do bloco para comentar o ocorrido, mas não obteve resposta até a publicação da reportagem. O Twitter afirmou que "tem regras que determinam os conteúdos e comportamentos permitidos na plataforma, e eventuais violações estão sujeitas às medidas cabíveis".
BLOCOS CONTRA BOLSONARO
O incômodo do presidente com os blocos de Carnaval pode ser entendido, em certa medida, a partir das manifestações contrárias a ele que têm se disseminado nesses eventos pelo país.
A relação de Bolsonaro e de seus filhos com o ex-policial militar Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), deram o tom da folia politizada.
Alguns foliões se enfeitaram com adereços na cabeça ou adesivos nas roupas com a frase Lula Livre. Outros usaram a fantasia para protestar. Diversas placas com a frase “O PT destruiu a minha vida” faziam piada com o eleitorado de Bolsonaro.
No bloco Ladeira Abaixo, em Belo Horizonte, os foliões cantaram em coro debaixo de chuva “ai, ai ai ai, ai ai ai ai ai ai ai, Bolsonaro é o carai”, mesmo refrão repetido no bloco Eu Acho É Pouco, em Olinda. Pelo menos a cada meia hora, o refrão se repetia na capital mineira. Em alguns momentos, era seguido por outro: “Ei, Bolsonaro, vai tomar no cu”, e até o antigo refrão “olê olê olê olá, Lula, Lula” apareceu.
Em São Paulo, no Tarado ni Você, fantasias de laranjas satirizaram a relação do filho de Bolsonaro com Queiroz. 
Referências ao kit gay, polêmica que surgiu com o Projeto Escola sem Homofobia, da gestão petista, e as fake news apareceram com força. Uma delas virou adereço: as “mamadeiras de piroca” —mamadeiras com pênis de borracha na ponta. Na campanha de 2018, a informação de que Fernando Haddad (PT) pretendia distribuir o item em creches —o que se comprovou ser falso— inundou a internet.   (BNews)

Nenhum comentário