As mais recentes

Homem invade imóvel, faz reforma completa e pede reembolso para sair

 
Foto: Reprodução/TV Jornal

A proprietária de uma casa em Porto de Galinhas, no Litoral Sul de Pernambuco, teve o imóvel invadido por um homem desde o ano passado. Ainoã Edney mora nos Estados Unidos com o marido e possui uma casa, na qual passa férias, no entanto, em agosto de 2018 teve a desagradável surpresa ao ser informada de que a sua propriedade foi invadida. Além de invadir a casa, o homem a reformou. "Ele levantou o muro, trocou a piscina, colocou vidros e janelas. Ele fez uma reforma total na minha casa", declarou Ainoã. Ao saber do acontecido, a proprietária passou a manter contato com o invasor por telefone e aplicativos de mensagens. Segundo Ainoã, o homem passou a cobrar um valor da proprietária para sair do imóvel. "Estamos nos sentindo lesados e trapaceados. Nenhuma autoridade do município toma providência", afirmou o irmão da pernambucana. Por meio de um áudio enviado à proprietária, o homem afirma que o imóvel estava sendo utilizado por usuário de drogas. "A sua casa estava totalmente aberta. Roubaram toda a fiação e até os vasos sanitários foram arrancados. Eu peguei aqui dentro quatro 'negócios' de droga, o tal do cachimbo, e mostrei aos vizinhos para que fossem testemunhas. A casa é sua, estava esperando muito você chegar. Claro que é um desconforto, você está totalmente aborrecida. Peço perdão, ok? Mas eu estou muito feliz que você entrou em contato para que a situação seja resolvida por definitivo. Estamos aqui para conversar e resolver da melhor maneira que puder", declarou. Segundo a proprietária, o homem diz ainda que a Justiça está ao lado dele pois conhece muita gente na área.

Defesa
O advogado do homem, Rafael Mayer, informou por meio de nota que invadiu o local por questões financeiras e também por ter sido informado que o imóvel estava abandonado e sendo utilizado por usuários de drogas. Segundo a defesa, a desocupação acontecerá assim que o homem alugar outro imóvel. O advogado conta também que em nenhum momento o cliente se mostrou contrário à desocupação do local, mas que solicita um reembolso das reformas pelo fato da enteada ser uma pessoa com deficiência e necessitar de adaptação. O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) informou à emissora que o caso está em andamento. Até o momento a Prefeitura de Ipojuca não se pronunciou. (Correio*)

Nenhum comentário