Justiça obriga Haddad a apagar vídeo onde chama Macedo de “charlatão”

Fernando Haddad  (Foto: Reprodução / Youtube)

O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que Fernando Haddad apague de suas redes sociais o vídeo onde chama o bispo Edir Macedo de “charlatão” e diz que ele age por “fome de dinheiro”. Caso descumpra a ordem judicial, o petista deverá pagar multa diária de R$ 5.000.
O ex-presidenciável do PT foi processado pelo líder da Igreja Universal do Reino de Deus na esfera civil e na criminal. No processo principal, os advogados do líder evangélico alegam que a fala de Haddad gerou “comentários ofensivos” que se espalharem na internet.
A assessoria do ex-candidato anunciou que ele irá acatar a decisão.
A disputa judicial de Macedo e Haddad é mais um “round” no embate paralelo que os dois travaram nestas eleições. O bispo, que é dono da Rede Record, acusa Haddad de difamá-lo. Ele chegou a ser preso por “charlatanismo” em 1992, mas acabou liberado por falta de provas.
Logo que o líder da Universal acionou a Justiça, no mês passado, a equipe de Haddad afirmou que ele está “convicto de que suas afirmações são verdadeiras e que os fatos e a história dos personagens envolvidos assim comprovam”. Contudo, falhou em oferecer qualquer tipo de comprovação.
Caso vença os processos, onde pede uma indenização de cerca de 80 mil reais, Macedo declarou que irá doar o dinheiro para a caridade.
Antigo aliado do Partido dos Trabalhadores, o bispo da Universal declarou apoio a Jair Bolsonaro (PSL) na véspera do primeiro turno. Haddad não aceitou e passou a atacá-lo.
Em um texto publicado na sua página oficial, a IURD diz que o petista tentava “incitar uma guerra religiosa” ao fustigar “uma das maiores lideranças evangélicas do país”.  Também destaca que a mudança de postura neste pleito veio pela constatação que “PT tem como projeto a destruição dos valores cristãos”.  (Gospel Prime)