Bebê agredido a mordidas tem lábio completamente arrancado e mãe será investigada


O bebê de um mês agredido a mordidas e com objeto cortante perdeu por completo o lábio inferior, segundo a equipe médica do Hospital de Urgência de Teresina (HUT). A grave mutilação possivelmente foi feita com um estilete. A polícia informou que a mãe vai ser investigada por possível negligência e testemunhas serão ouvidas. O pai da criança é o principal suspeito e está preso preventivamente.
De acordo com a conselheira tutelar Maria do Carmo Lima, em conversa com o Conselho Tutelar e em depoimento à polícia, a mãe do bebê relatou que passou a noite consumindo bebida alcoólica com o companheiro e depois disso “apagou”, acordando apenas com o choro da criança já ferida. Para o Conselho, a mãe foi negligente.
Conselheira tutelar Maria do Carmo Lima avalia que mãe foi negligente (Foto: Catarina Costa/G1)
“Uma mãe que tem um bebê de um mês, que precisa de cuidados, mas passa a noite bebendo com o companheiro até apagar. Ela foi sim negligente. Vamos mandar para a juíza o caso e ela vai decidir a guarda da criança, mas acredito que ela deva ficar com a tia ou avó materna”, declarou a conselheira.
O delegado Jetan Pinheiro, gerente de polícia especializada, informou que familiares e vizinhos serão intimados para falar sobre uma possível participação da mãe no caso.
Conforme a conselheira Maria do Carmo, a mãe está muito abalada desde a agressão ao bebê e não tem condições de cuidar dele e das outras crianças. A mulher tem outras três filhas: uma menina de seis anos que estava na casa no dia da agressão e outra de nove anos que mora com a avó materna. Uma terceira teria sido entregue pela mãe a uma família ainda desconhecida. Elas não são filhas do suspeito.

Estado de saúde

O HUT informou que não há previsão de alta para o bebê. Ele passará por cirurgia de enxerto de pele no local mutilado, mas não há ainda data marcada para o procedimento, já que isso depende de recuperação da lesão.
Ele já passou por uma cirurgia devido às lesões e está consciente e orientado, se recuperando bem.

Histórico de agressões

O Conselho informou que a mãe revelou sofrer agressões do companheiro, com o qual mantém um relacionamento de sete anos e que, no dia do incidente, ele teria dado um empurrão nela, ferindo seu joelho.
Além do efeito do álcool, o companheiro teria consumido crack. Segundo depoimento da mãe, ele seria usuário de drogas. A polícia informou que vai solicitar à perícia a comparação de acarda dentária com a do suspeito.

Prisão preventiva

Bebê foi inicialmente atendido na UPA do bairro Promorar (Foto: Catarina Costa/G1)Bebê foi inicialmente atendido na UPA do bairro Promorar (Foto: Catarina Costa/G1)
A juíza Maria Zilnar Coutinho, da Central de Inquérito de Teresina, decretou a prisão preventiva do homem ainda no domingo (15). Ele teria agredido o bebê por acreditar não ser seu pai biológico.
A criança foi atendida na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Promorar, na Zona Sul de Teresina, e um Policial Militar de plantão desconfiou das agressões. A mãe inicialmente tentou negar a origem das lesões, mas depois revelou à polícia que o pai teria causado os graves ferimentos.
Fotos e Fonte:G1