Salvador: Jovem esfaqueada 17 vezes pelo ex-marido recebe alta e muda de cidade

Imagem ilustrativa
A dona de casa Alana de Oliveira, de 24 anos, que foi esfaqueada 17 vezes pelo ex-marido, na segunda-feira (19), quando acompanhava a filha de 11 meses internada no Hospital Martagão Gesteira, recebeu alta do Hospital Geral do Estado (HGE) na quarta-feira (21), de acordo com a promotora que acompanha o caso, Márcia Teixeira. Segundo a promotora informou ao G1 nesta quinta (22), a mulher passa bem e recebeu alta depois de avaliação da equipe médica do hospital. A vítima, outros dois filhos, fruto do relacionamento com o agressor, mudaram de cidade por segurança, mesmo com o ex-marido, Rafael Soares, preso pelo crime. A filha de 11 meses de Alana está internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Martagão Gesteira, recebe atendimento da equipe oncológica e é acompanhada pela família da vítima. De acordo com Márcia Teixeira, Alana e as crianças também estão sob medida protetiva, que impede que ele se aproxime da família, caso seja solto pela Justiça para responder ao crime em liberdade. A promotora afirmou ainda que, em depoimento prestado pela vítima no Hospital Geral do Estado (HGE) à Policia Civil, a vítima teria relatado que foi estuprada pelo ex-marido. A vítima já tinha informado sobre o crime à equipe do Martagão Gesteira, que acionou o MP, mas acabou não citando o estupro no registro que fez sobre uma agressão cometida por ele, na Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher (Deam) de Brotas. "Quando ele visitava as crianças, em alguns momentos, ele praticava violência sexual. Como ela foi ouvida no HGE, ela confirmou a violência sexual a que vinha sendo submetida. O dia que registrou, a violência física foi 23 de fevereiro. Nesse dia ela também foi vítima de violência sexual. Por algum motivo, preferiu não registrar (na delegacia), mas falou isso para profissionais da unidade hospitalar. Agora, com essa tentativa de feminicídio, na oitiva no hospital, ela menciona esse estupro", diz a promotora. O G1 tentou falar com a delegada Heleneci Souza Nascimento, que investiga a tentativa de feminicídio contra a jovem, mas não conseguiu contato nesta quinta-feira (22). A assessoria da Polícia Civil informou que a vítima foi ouvida no HGE um dia após o crime, na terça-feira (20), mas que não relatou ter sido estuprada. No entanto, ele já é investigado pelo crime. A polícia disse ainda que ela passou por exames de corpo delito na quarta-feira (21). O inquérito sobre o caso será remetido à Justiça e a prisão em flagrante de Rafael foi convertida em preventiva. (G1 Bahia)