Ônibus param de circular pelo bairro de Santa Cruz, em Salvador, após confronto entre PMs e suspeitos com 1 morto


Os ônibus do transporte coletivo de Salvador pararam de circular pelo bairro de Santa Cruz após um confronto entre policiais militares e homens suspeitos de tráfico de drogas, na tarde desta quarta-feira (20). Na ação, um suspeito foi morto e outros seis presos.
A troca de tiros ocorreu, por volta das 17h, na Rua da Sucupira. A PM disse que uma guarnição da 40ª Companhia Independente (CIPM) foi até o local após receber uma denúncia de que homens armados estavam circulando na região. Conforme a corporação, ao chegarem ao local, os policiais foram recebidos a tiros e revidaram.
Um dos suspeitos, que não teve nome divulgado, foi baleado e, conforme a PM, socorrido para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde não resistiu aos ferimentos.
Com o suspeitos morto e os outros seis presos a polícia disse ter encontrado drogas como maconha e cocaína, uma mochila com material para primeiros socorros e remédios, munições e uma pistola 9mm modelo israelense.
A polícia também apreendeu dois carregadores, sendo um alongado (com capacidade para 30 munições) e outro normal (com capacidade para 15 munições). Os presos e todo material apreendido foram apresentados no Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP). Após o confronto, o policiamento foi reforçado na região.
Conforme Fábio Primo, vice-presidente do sindicato dos rodoviários, motoristas e cobradores estão com medo de circular pelo bairro e estão usando o Parque da Cidade como final de linha improvisado. Cerca de quatro linhas de ônibus passam pelo bairro.

Tensão



Os coletivos também estão sem circular no fim de linha do Vale das Pedrinhas. Os rodoviários decidiram parar de rodar até a região após a morte de dois jovens em suposto confronto com a polícia, na terça-feira (19). Por causa das mortes, um grupo de moradores fechou a Avenida Juracy Magalhães, na entrada do bairro.
O policiamento também foi reforçado na região e a PM afirma que os moradores seguem a rotina normalmente. No entanto, os rodoviários dizem que ainda não se sentem seguros para cumprir com o itinerário.
Os coletivos que passam pelo bairro, pela Avenida Juracy Magalhães, fazem parada em um ponto de ônibus na entrada do Vale das Pedrinhas. Já os coletivos que fazem fim de linha no local, param na Rua do Canal, mais de um quilômetro distante do ponto final original.
Existem duas versões para a morte dos jovens. A versão da polícia é de que Mikael Militão dos Santos e Yan Patrick Queiroz, ambos de 18 anos, atiraram contra uma viatura do Policiamento Tático Operacional (Peto), na localidade do Campo do Vale.
Na troca de tiros, eles teriam sido baleados e levados para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde morreram. Já a versão dos moradores é de que os jovens saíram do bairro, levados com vida pela polícia, e apareceram no hospital já mortos.
Uma terceira morte foi em confronto com a PM na mesma região foi registrada na noite de terça-feira. Os três casos serão investigados pela Polícia Civil e apurados pela Corregedoria da PM. Fonte: G1BA