Lula: Temer quer que ‘aposentado pague a culpa da desgraça desse país’


Em discurso de campanha sobre um trio elétrico, na tarde desta sexta-feira (18), em Cruz das Almas, no Recôncavo da Bahia, o ex-presidente Lula (PT) indicou o roteiro da sua estratégia eleitoral, se conseguir vencer a batalha jurídica e se candidatar ao comando da República em 2018.
Condenado a nove anos e meio de prisão pelo juiz Sérgio Moro, por corrupção e lavagem de dinheiro, o petista fará o contraponto entre as conquistas da população menos favorecida nos seus anos de governo e as perdas na gestão atual de Michel Temer (PMDB), seu ex-aliado.
“Está acabando com aquilo que nós conseguimos fazer, que foi recuperar a autoestima do nosso povo, que foi provar que o povo pobre não é problema desse país. O povo pobre é a solução desse país. Se eles não sabem consertar o país, nós vamos consertar, algum dia. Eles precisam aprender que não é possível governar sem ouvir e sem olhar a cara do povo. Ninguém governa comprando deputado, comprando vereador, fazendo corte no orçamento para diminuir investimentos em educação, em saúde. Ninguém governa assim. Querendo que o aposentado pague a culpa da desgraça desse país”, atacou Lula, sem citar nomes.
Em um rápido pronunciamento, sem falar com a imprensa, Luiz Inácio se dirigiu aos “filhos de quilombolas” e de “empregadas domésticas” que conseguiram um diploma de terceiro grau, desde a inauguração da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), que ele anunciou em 2006, na última vez em que esteve na cidade.
O seu retorno seria para receber o título de Doutor Honoris Causa pela instituição, mas a honraria foi barrada pela Justiça Federal, após ação do vereador de Salvador, Alexandre Aleluia, filho do presidente estadual do DEM e deputado federal, José Carlos Aleluia.
“Eu tinha um discurso escrito para falar do meu título, mas como eu não estou recebendo o título oficial, legal… O meu título é cada diploma que vocês tiraram nessa universidade e esse título nenhum juiz vai tirar. Eu talvez tenha sido o único presidente da República que não tenha tido diploma eu adoraria ser economista. […] Educação é investimento para o futuro desse país”, afirmou, ao pontuar que não aceitou receber homenagens do tipo enquanto esteve no mandato.
Apesar da retórica, o petista admitiu ter ficado contrariado por ser impedido de ter a solenidade na UFRB. “Eu vim agora dizer para os estudantes, professores, estudantes e moradores de Cruz das Almas, que muito me entristece eu não receber o meu título, porque eu sou agradecido ao conselho que deliberou. […] Guarde o meu título que eu virei aqui pela quinta vez receber”, avisou.
No tour de 22 dias pelo Nordeste, o ex-presidente estará em Feira de Santana, ainda na Bahia, neste sábado (19), e depois partirá para Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí e Maranhão. (Bahia.Ba)