Absurdo: Mãe mata filho de 2 anos queimado por ele se parecer com o pai, veja o vídeo do depoimento.

(Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)

A mãe do menino Alexandre Coutrim Rodrigues, de 2 anos, que foi encontrado morto sobre um entulho em chamas, Ela confessou à Polícia Civil, na quinta-feira (29), que matou o próprio filho por ele se parecer com o pai, o ex-marido dela, em Piranhas, no Estado de Góias. Durante o depoimento, a trabalhadora rural Adriana Coutrim Moreira conta que estava “chateada” e colocou fogo na criança , ela disse "joguei dentro do fogo, segurei ele e joguei álcool”, disse a mulher chorando. Em um vídeo no depoimento a policia. (Veja o vídeo abaixo do depoimento)




“Nesse dia eu estava muito chateada, estava desnorteada porque a gente só fica dentro de casa, fazendo 'esses trem', isso, aquilo. Outra coisa, estava muito chateada e ele chorando demais, agoniado. Aí eu peguei e fiz o trem lá".

O crime aconteceu no domingo (25), em Piranhas, GO.  A gravação mostra o delegado Ramon Queiroz da Silva interrogando a mulher, que estava ao lado do atual marido. Segundo o investigador, o homem não é suspeito de participar do crime e só foi à delegacia para acompanhá-la. Ao ser questionada sobre os detalhes, a mulher conta, chorando, que queimou o filho vivo.

“Joguei nele [álcool]. [Ele] tentou sair [da fogueira], mas eu segurei ele com um pedaço de madeira. Deixei ele lá dentro [na fogueira]. Depois tirei ele com uma toalha, arrastando ele. Não tenho nada para falar mais não, chega”, pede a mãe ao fim do vídeo.

O delegado Ronaldo Pinto Leite afirmou ao G1 que a mulher confessou que matou o filho pelo fato dele se parecer com o pai, ex-marido da mulher.

"Ela acabou confessando que cometeu o crime por motivo fútil, ligado ao pai da criança, seu ex-marido, que teria a abandonado. Ela nutriu raiva da criança e a matou por ela se parecer fisicamente com o pai e estar dando muita birra. Agora aguardamos outros laudos para termos mais detalhes sobre o caso", afirmou.
A mulher foi presa depois que a Polícia analisou o laudo cadavérico, ouviu testemunhas e fez a reconstituição do crime. De acordo com o delegado, o inquérito deve ser concluído em até 30 dias. (Fonte:G1 GO)