Governo quer reter parte de FGTS para economizar no seguro-desemprego


O governo estuda reter parte do FGTS dos trabalhadores demitidos sem justa causa para economizar com o pagamento de seguro-desemprego. A medida, em discussão no Ministério do Planejamento, prevê o parcelamento do saque da conta vinculada ao Fundo e da multa de 40% em três meses. Os valores mensais seriam equivalentes ao último salário auferido pelo trabalhador na empresa. De acordo com o jornal O Globo, a ideia é que se passados três meses sem conseguir outra colocação, ele possa dar entrada no pedido se seguro-desemprego.
Caso esse trabalhador consiga um novo emprego no segundo mês após o desligamento, poderá antecipar o saque, recebendo a diferença de uma única vez.
Na prática, o governo quer reduzir a despesa com o pagamento do seguro-desemprego. A ideia ainda é incipiente, mas já foi discutida com técnicos do Ministério do Trabalho, responsável pelo FGTS.
(BNews/Blog do Valente)